Nome*:
Telefone*:
E-mail*:
Mensagem:

Orçamento Online
Notícias
  • 16 jul 2015

    cheiro de cachorro no sofáVocê tem cachorro em casa e deixa ele subir no sofá? Então você deve saber que aquele cheirinho dele fica grudado, e todo mundo que chega na sua casa sente que seu cãozinho passou por ali… Você não se importa, claro! Mas as vezes o cheiro pode ficar bem forte e começar a ser um incômodo. Se você está querendo eliminá-lo, nós temos uma solução prática e rápida pra você!

    Vamos à receita da “Poção Mágica Para Remover o Cheiro de Cachorro do Sofá”

    INGREDIENTES

    1 litro de água
    ½ copo de vinagre branco (de álcool)
    1 colher de sopa de bicarbonato de sódio bem cheio
    ¼ de copo de álcool líquido
    1 colher de sopa de amaciante de roupa

    Modo de fazer 

    Misture tudo em um recipiente (nesta ordem: água, álcool, bicarbonato, vinagre e amaciante), mexa bem e coloque a mistura em um borrifador.

    Observações

    Você precisa manter a atenção na quantidade de dois ingredientes em especial nesta receita: o vinagre e o amaciante. Enquanto o vinagre tem um cheiro forte que, se for colocado em excesso pode causar um lindo cheiro de salada em sua sala de estar, o amaciante pode deixar tudo grudento, ruim de tirar depois.

    O ideal é que, antes de aplicar a mistura, você aspire o sofá, retirando pelos e eventuais sujeirinhas.

    Feito? Então pode aplicar a mistura, borrifando à distância de uns 40cm. Aplique em todo o sofá, mas principalmente onde o cheiro estiver mais forte. Se necessário, repita o processo, o cheiro vai diminuir com o tempo.

    Resultado Final

    E vá sem medo de estragar o sofá, pois o vinagre reaviva cores, o bicarbonato limpa profundamente, o amaciante amacia as fibras e o álcool na composição faz tudo secar mais rápido.

    Prontinho! Seu sofá já está “livre” do cheiro forte de cachorro.

    Fonte: Site Dicass.org

     

    A HS Conservadora oferece as melhores soluções em conservação para o mercado de Juiz de Fora.

    Faça seu orçamento online ou Fale Conosco!

    Telefone: (32)3083-4214

    Comente Comente

  • 13 jul 2015

    biblioteca no condomínioJá pensou em ter uma Biblioteca como espaço comum no seu condomínio? Saiba como oferecer e utilizar esse tipo de ambiente.

    Cada vez mais modernos e equipados, os condomínios entregues nos últimos anos já possuem espaços destinados a agradar todos os gostos. De academia a zen places, mesmo empreendimentos mais simples já apontam em seus projetos para a criação de áreas comuns de incentivo ao convívio. E isto também é válido para os espaços de leitura…

    Como implantar a Biblioteca?

    No condomínio, toda criação de um novo espaço comum precisa ser aprovada em assembleia. Então, o primeiro passo é montar um projeto, ou pelo menos um documento que esclareça como você idealizou este espaço e fazer a proposta na reunião do condomínio. Para que a biblioteca seja instalada, você precisará ter aprovação total dos presentes.

    Pensando o espaço

    Projeto aprovado, biblioteca implantada, é hora de pensar o que será disponibilizado, e onde…

    É essencial ter um espaço que possa acomodar livros e revistas. Eles podem ficar em estantes ou armários ou, ainda, organizados sobre algumas mesas.

    Depois de reservar este espaço, a próxima tarefa é solicitar aos moradores doações de publicações. Para isso, basta o síndico tratar do assunto em assembleia ou fixar cartazes e panfletos em locais de maior circulação, como os elevadores. Outra dica é arrecadar fundos para a aquisição de alguns títulos.

    Dicas de utilização e melhorias na Biblioteca

    1. É importante que a biblioteca tenha regras de utilização, para que todos possam usufruir bem, e ninguém seja prejudicado. O silêncio enquanto estiver no espaço, um livro de controle de empréstimo e proibições como comer e beber dentro da biblioteca são ideias de regras.

    2. Para que os livros não se percam, vale a pena organizar uma forma de anotar a data de empréstimo e devolução, assim como o nome e apartamento de quem pegou emprestado.

    3. Podem ser feitas campanhas de arrecadação de livros e também ser montada uma lista de sugestões, na qual moradores podem sugerir títulos a serem adquiridos.

    4. Rodas de leitura podem ser interessantes especialmente em condomínios com crianças e em épocas de férias. Podem ser estipulados horários para a leitura de obras pelos próprios moradores que tiverem interesse em participar.

    Fonte: Site iCondominial

    A HS Conservadora oferece as melhores soluções em conservação para o mercado de Juiz de Fora.

    Faça seu orçamento online ou Fale Conosco!

    Telefone: (32)3083-4214

    Comente Comente

  • 02 jul 2015

    obraObra dá uma dor de cabeça, né? Pequena ou grande, ela é sempre estressante para o responsável e, às vezes, exige demais do seu tempo… Hoje a gente mostra como você pode otimizar seu tempo e o trabalho na obra da sua casa, do seu condomínio, ou empresa. Confira!

    1. Conheça o projeto da obra e tenha-o sempre à mão

    Muita gente começa a casa antes de pensar no projeto. O resultado disso é que, durante construção ou reforma, será necessário fazer muitos ajustes. Se você tem um projeto com todos os detalhes (indicações de materiais e acabamentos), entregue ao pedreiro. Isso diminui muito a chance de algo sair diferente do planejado. Quando você só explica o que quer falando, alguém pode não entender muito bem a informação. Com o projeto dá para planejar a compra de materiais e os gastos ficam sob controle. É essencial, também, que você visite a obra de vez em quando.

    2. Exija que uma sequência seja cumprida

    Faça um “roteiro da obra” e respeite-o. Quer uma ideia sobre a ordem das etapas?

    – Demolições;
    – Remoções e retiradas;
    – Reformas estruturais (o que inclui mudança de paredes, aumento ou redução de cômodos);
    – Lajes;
    – Telhados;
    – Assentamentos de portas e janelas;
    – Encanamentos;
    – Instalações elétricas (tomadas, pontos de luz, quadro de força);
    – Forro;
    – Assentamento de pisos e azulejos;
    – Instalação de louças, bancadas de granito/mármores e metais;
    – Pintura;
    – Instalação de luminárias;
    – Marcenaria

     3. Planeje a Compra de Materiais

    Se você respeitar cada etapa da obra, vai conseguir também definir quando comprar determinado material e quanto comprar…

    Para otimizar o tempo dos funcionários da obra, é importante que eles consigam comprar materiais o mais próximo possível. Uma solução, é abrir uma conta na loja de materiais de construção do bairro e contratar pessoas de confiança (que você sabe que não vão gastar além do necessário). E, na hora de fazer as compras maiores, tente agendar a entrega para que o material chegue no momento certo e a obra não fique parada.

    4. Organize-se financeiramente

    Primeiro você precisa saber bem quanto pode e quer gastar com a obra para ninguém ir “inventando” coisas no meio do caminho e você acabar se enrolando em dívidas, ou comprometer seu orçamento demais…

    Depois, precisa escolher como vai pagar os profissionais. As empreitadas são a melhor saída… Onde o profissional te dá o preço total do serviço e você pode combinar de pagar por etapas, ou parcelar: pagar metade antes, metade depois; ou uma parcela no início, uma no meio e uma ao fim da obra… Na empreitada você tem o preço fixo. Diferente de quando você paga pelo dia de serviço e aí pode correr o risco de gastar demais, porque a obra pode ter algum imprevisto e durar mais tempo que o planejado, ou o próprio profissional gastar mais tempo para ganhar mais.

    É preciso tomar cuidado com os gastos e prestar atenção na qualidade do serviço… Por isso não se esqueça de, sempre que possível, dar uma olhadinha no andamento da obra e conversar com o mestre.

    Boa sorte!

    Fonte: Portal Viva o Condomínio

    A HS Conservadora oferece as melhores soluções em conservação para o mercado de Juiz de Fora.

    Faça seu orçamento online ou Fale Conosco!

    Telefone: (32)3083-4214

    Comente Comente

  • 25 jun 2015

    Na hora de alugar um imóvel sempre surgem dúvidas sobre o que é responsabilidade do inquilino, e o que é compromisso do proprietário. Hoje vamos dividir algumas destas obrigações, para tirar um pouquinho das questões que te preocupam na hora de oferecer ou procurar um imóvel para locação.

    OBRIGAÇÕES DO LOCADOR

    – Entregar o imóvel em boas condições com referência a eventuais defeitos existentes;

    – Responder pelos vícios ou pelos defeitos anteriores à locação;

    – Fornecer recibo das importâncias pagas pelo inquilino;

    – Pagar as taxas de administração da imobiliária e de intermediações, como a pesquisa da idoneidade do futuro inquilino e do fiador;

    – Pagar os impostos e taxas e, ainda, o prêmio de seguro complementar contra fogo;

    – Pagar despesas extraordinárias de condomínio, tais como obras de reforma, pintura, equipamentos de segurança e fundo de reserva;

    – Reembolsar despesas de benfeitorias necessárias. Obras para embelezar ou melhorar o imóvel são voluntárias e não serão de sua responsabilidade.

    OBRIGAÇÕES DO LOCATÁRIO

    – Pagar pontualmente o aluguel e os encargos de locação, conforme previsto em contrato;

    – Devolver o imóvel no estado em que o recebeu, salvo deteriorações decorrentes do uso normal;

    – Informar ao locador sobre dano ou defeito cuja reparação seja de responsabilidade dele;

    – Não modificar a forma interna ou externa do imóvel sem o consentimento formal do locador;

    – Pagar as despesas ordinárias de condomínio, necessárias à administração e à manutenção do imóvel.

    GARANTIAS

    O locador poderá exigir uma, apenas uma, das seguintes modalidades de garantia:

    Fiança: uma terceira pessoa (fiador) garante, perante o locador, o cumprimento do contrato.

    Caução: bens móveis, imóveis ou depósito bancário (em poupança), de até três meses de aluguel.

    Seguro-fiança: contratado pelo inquilino, a seguradora passa a ser fiadora do contrato.

    REAJUSTES

    O reajuste, por lei, pode ocorrer uma vez por ano, no mesmo mês em que o contrato foi assinado. Os índices mais usados (IPC-Fipe, IGP-M e INPC) são divulgados em jornais de grande circulação.

    Segundo a Lei do Inquilinato, quando o valor do aluguel está muito baixo, o proprietário pode pedir sua revisão após três anos de vigência do contrato ou da última alteração do valor contratado. Evidentemente que o inverso é verdadeiro.

    DESOCUPAÇÃO

    A retomada do imóvel, por iniciativa do locador, pode ocorrer no prazo mínimo de 30 dias, após o término do contrato, sendo o inquilino notificado da intenção do proprietário.

    A desocupação pode ocorrer por vontade do inquilino, antes do prazo contratado, desde que a multa pactuada seja paga proporcionalmente ao tempo total do contrato. O inquilino não precisa pagar multa se: 1) o empregador mudar seu local de trabalho ou 2) se o contrato de locação for por prazo indeterminado. Basta notificar o proprietário, por escrito, com 30 dias de antecedência.

    A falta de pagamento de aluguel e encargos pode acarretar uma ação de despejo. Durante o andamento da ação, o inquilino pode evitar o despejo pagando o débito acrescido das multas, via depósito judicial.

    O aluguel de imóveis é disciplinado por lei federal. A relação jurídica entre locador e locatário não é de consumo, portanto não é abrangida pelo Código de Defesa do Consumidor, exceto em algumas situações, como nas locações com intermediação de uma imobiliária. Para saber mais sobre o assunto, procure o Procon ou outras entidades de defesa do consumidor de sua cidade.

    Fonte: Folha de S. Paulo

    A HS Conservadora oferece as melhores soluções em conservação para o mercado de Juiz de Fora.

    Faça seu orçamento online ou Fale Conosco!

    Telefone: (32)3083-4214

     

    Comente Comente

  • 21 maio 2015

    Quer um prédio seguro? Comece pelo porteiro!

    A maioria dos assaltos a locais fechados é resultado da falta (ou falha) de abordagem na portaria. Por isso, porteiros bem treinados são essenciais para a segurança dos condomínios, principalmente na hora de prevenirem assaltos.

    guaritaComo não podem portar armas, os porteiros devem seguir um “manual” para atuarem de forma correta na hora de autorizar ou não a entrada de alguém no prédio.

    Como abordar os visitantes?

    1. Tenha um livro para registrar a entrada dos visitantes. No livro anote o nome e o local onde a pessoa vai.

    2. Peça que o visitante se identifique e diga o que o leva ao local.

    3. Antes de autorizar a entrada, entre em contato com o morador ou estabelecimento mencionado pela pessoa.

    4. No caso de anúncio de prestação de serviços, peça identificação da empresa.

    5.  Observar os horários de entrada e saída das pessoas que moram ou trabalham no local também é essencial para evitar a entrada de criminosos.

    6. Estar sempre atento às câmeras de segurança.

    A principal habilidade de um bom porteiro é saber identificar quem são os moradores e frequentadores do local. Ser observador e cuidadoso para perceber atitudes suspeitas é primordial para garantir a segurança e a tranquilidade daqueles pelos quais o porteiro está zelando.

    Dica para os condomínios

    Estabeleça uma regra para autorização de entrada de prestadores de serviço. Uma boa solução para diminuir o “entra e sai” de estranhos, por exemplo, é que entregadores, carteiros, office boys deixem as mercadorias na portaria e o destinatário busque. E, no caso de empregadas domésticas, pedreiros, encanadores, eletrecistas, que se tenha um registro onde conste um documento com foto, identificação e contato da empresa.

    Fonte: Diário de Cuiabá

    A HS Conservadora oferece as melhores soluções em conservação para o mercado de Juiz de Fora.

    Faça seu orçamento online ou Fale Conosco!

    Telefone: (32)3083-4214

    Comente Comente

  • 14 maio 2015

    Já pensou em usar só 10 litros de água em 400 banhos? A invenção do engenheiro Pedro Ricardo Paulino recicla a água do banho e a devolve para o chuveiro, tornando possível o banho infinito.

    chuveiroPedro criou um sistema de filtragem de alta velocidade que reabastece o chuveiro com a água que acabou de sair dele mesmo: a água suja que escorre pelo ralo passa por dois filtros, é pressurizada por uma bomba e é filtrada mais duas vezes. Depois disso, a água vai para um reservatório com raios ultravioleta e ozônio, é esterilizada e desinfectada.

    O engenheiro disse que a água reaproveitada não deve ser usada por mais de uma pessoa, para evitar contaminações. Também não é recomendável a ingestão da água após a filtragem e, para que ocorra um bom número de filtragens, o engenheiro aconselha os usuários a não urinarem durante a utilização da água reaproveitada.

    Depois de saturada, (quando não pode mais ser filtrada), a água do banho é descartada por um dispositivo que a elimina para o reservatório do vaso sanitário.

    O sistema economiza uma média de 70% de energia que um chuveiro comum, e o preço varia de 8 a 25 mil reais. A utilização é recomendada, principalmente, para condomínios, hoteis e academias.

    Fonte: Folha de S. Paulo

    A HS Conservadora oferece as melhores soluções em conservação para o mercado de Juiz de Fora.

    Faça seu orçamento online ou Fale Conosco!

    Telefone: (32)3083-4214

     

    Comente Comente

HS Conservadora Todos os Direitos Reservados | 2013
Deselvolvido por Futuro Comunicação Aprimorar Desenvolvimento